sábado, 12 de março de 2011

Recordações

Estou a ler o livro BI de Maria Filomena Mónica, até agora estou a gostar muito e por causa dele vieram-me há memória muitas coisas que estavam adormecidas.
Como não vivia em Lisboa, a minha vida era muito simples e despreocupada no que diz respeito ás roupas.
Para a escola íamos de bata, fora da escola, era roupa de campo e praia para nos podermos mexer sem medo de sujar ou estragar.
Toda a gente tinha roupa de ir a Lisboa!
Em criança só lá ia  por dois motivos : ou precisava de ir ao médico ou ia fazer as compras de mudança de Estação.
Na altura compravam-se os tecidos e quase toda a gente tinha uma costureira para as coisas simples e uma Modista para casos mais sofisticados...
Nalguns casos, normalmente porque a família era muito grande e havia muito que fazer a costureira ia a casa  um ou mais dias por mês para tratava das roupas e arranjos.Noutros, as costureiras recebiam as pessoas nas suas próprias casas.
Os melhores tecidos eram os dos SOUSA e os do PARIS EM LISBOA, também me lembro de ir ao Rossio...
Adolescente fiz muita roupa pela BURDA, que nessa altura seria a "minha melhor amiga" :)
Carcavelos foi a primeira praia da minha vida. Adorei-a.
Enorme, plana, arejada e nas manhãs de maré vazia que se andava, andava, andava com ondinhas muito pequeninas e suaves eram banhos fantásticos! Com a maré a subir formavam-se "lagos" com água quase morna...outra maravilha!
Além disso, a praia era muito animada, construções na areia , o homem que Cuspia Fogo, as Bolas de Berlim, as Batatas fritas e os "OlÁAAAAAA, fresquinho".....
Tenho ideia de que as tardes eram muito quentes, por obrigação tinha que dormir a sesta, dizia a minha mãe que tinha que dormir para poder ir comer um gelado depois do jantar.
Ainda em Carcavelos, havia uma casa perto da Estação que tinha um jardim enorme e uma esplanada onde além do gelado havia uma Máquina de Música , éramos seis crianças os mais velhos com nove anos e os mais novos com quatro, todos tinhamos direito a pôr a moeda na máquina....as músicas escolhiam os pais.
Boas recordações.

14 comentários:

  1. Lindas recordações, Papoila.

    Muito me emocionam, pois, de certo modo, me remetem às minhas próprias. Embora diferentes, as ideias das lembranças são as mesmas. Roupas, costureiras, praia, sorvetes. Tantas saudades.

    Beijos

    Carla

    ResponderEliminar
  2. Um passeio pelas ruelas do passado... Tb gosto de dar esses passeios. Por vezes resultam em euforia outras em melancolia! : )

    ResponderEliminar
  3. Memórias doces...
    Gosto mesmo muito da lucidez da Filomena Mónica.

    BEIJOSSSS

    ResponderEliminar
  4. Adorei ler as suas memórias , pois acho que quem não as tem/ou não as partilha vive muito isolado .
    Burda:)e convencer a costureira a fazer igualzinho...ehm, super divertido.

    ResponderEliminar
  5. Carla, quando comecei a ler o livro BI, fiquei surpreendida com as recordações da autora e foi isso que me fez regressar ás minhas. Ainda bem que gostou.
    xxx

    ResponderEliminar
  6. Catarina, por acaso desta vez deram-me alegria e talvez saudade...
    xx

    ResponderEliminar
  7. Há.dias.assim, É verdade! Voltarei a elas daqui a uns dias :)
    xx

    ResponderEliminar
  8. Lolipop,
    Estou a gostar muito do livro só tenho tido pena porque tenho tido muito que fazer e estou a lê-lo aos bocadinhos quando poderia lê-lo num instante.
    xx

    ResponderEliminar
  9. Annie Hall, este inverno comprei uma Burda convencida de que seria capaz de fazer umas calças
    ainda não me atrevi, se calhar faço umas de Verão...
    xx

    ResponderEliminar
  10. Gostei de ler esta nostalgia feliz e bem escrita...!
    Obrigado por estes momentos.

    ResponderEliminar
  11. mfc,
    Obrigada! Como sempre vou visitar-te e volto sempre bem disposta.obg

    ResponderEliminar
  12. Muitas das suas recordações são minhas, Papoila. Têm a ver com uma época. Tal como as do BI da Filomena Mónica. Neste caso, não têm só a ver com a época (ela é um pouco mais velha, mas creio que o irmão tem a minha idade). Têm também a ver com o lugar, porque ambas morávamos, ou os nossos pais moravam na mesma zona de Lisboa. O livro lembrou-me do extraordinário sossego que era, que se perdeu, primeiro com a construção do Palácio da Justiça no alto do Parque e a invasão dos escritórios de advogados; depois com a construção das Torres das Amoreiras e a invasão do resto dos lisboetas. ;-D

    ResponderEliminar
  13. Onde quer que seja, é bom recordar lugares e épocas que fazem parte da nossa história de vida.Partilhá-las também nos enriquece de certa forma.
    Obrigada.
    bjs

    ResponderEliminar