quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

alguns bons motivos para aproveitar a vida enquanto PODE!

Tenho verificado que a partir de uma determinada idade, talvez dos 65 em diante a vida é uma grande luta!
Tenho vivenciado situações que me dão muito que pensar e que até me assustam.
Aos sessenta as pessoas já tem as suas rotinas, os seus gostos e os seus vícios muito bem definidos.
Sabem o que querem e como querem.
Deveriam então poder passar os dias tranquilamente sem que ninguém interferisse!
Mas....é precisamente nesta fase que toda a gente tem opiniões para dar.
Então tudo pode acontecer!
Convém lembrar que enquanto os pais envelhecem os filhos crescem, crescem em tamanho, em sabedoria têm mais poder económico ...sabem tudo e podem tudo!
De repente parece que tudo deixa de fazer sentido, e as pessoas passam de eficientes a inaptos.
Os filhos começam a mandar nos pais.
Alteram-lhes os hábitos, tentam mudar-lhes os gostos e nalguns casos mais desesperados tomam-lhes conta das despesas...
Não o fazem por mal. Querem protegê-los.
Então, eis o que eu penso, se está em pleno uso das suas faculdades e está quase a chegar aos setenta, aproveite a vida, faça o que mais gosta , coma, saia, divirta-se por que lá virá o dia em que todos pensam e decidem por si é a lei da vida.
Aproveite agora enquanto pode e todos respeitam as suas vontades.
Volto a lembrar, esta inversão de papeis não é por mal e há casos em que as pessoas não têm capacidade para poderem viver sózinhas e os filhos têm mesmo que tomar conta da situação, embora as intenções sejam boas e todos sabemos que de boas intenções está o inferno cheio...não deixa de ser uma chatice que lhe venham dizer que no Verão não vai de férias porque a praia  não lhe faz bem...:))))
Comecem já a diversão! Gozem e aproveitem bem a vida.

8 comentários:

  1. Papoila,
    É uma situação a ponderar, sim! Concordo contigo.

    ResponderEliminar
  2. Papoila, que post perfeito!

    É o que sempre digo a meus pais: "Aproveite agora enquanto pode e todos respeitam as suas vontades."
    Façam o agora.

    Beijos

    Carla

    ResponderEliminar
  3. Felizmente que isso não acontece com todas as pessoas que já têm mais de 65 anos:):):)
    Sou respeitada, faço-me respeitar, gozo a vida o melhor que sei e posso e tenho uns filhos que me apoiam em todas as minhas loucuras (não são filhos perfeitos mas eu também não sou uma mãe perfeita:):):)) Este ano completo setenta maravilhosas primaveras...
    Abracinho meu

    ResponderEliminar
  4. Não sei se concordo inteiramente consigo, Papoila. É verdade que os «novos» julgam, às vezes, saber melhor o que convém aos «velhos» do que os próprios «velhos». Mas também é verdade que os «velhos» esperam dos «novos» companhia e, frequentemente, protecção; querem ser simultaneamente dependentes e independentes; acham que os «novos» devem cuidar deles - sem o que são uns ingratos - mas querem ter a possibilidade de pôr e dispor desses cuidados; querem ser, ora crianças, ora adultos, conforme lhes apetece ou convém. Não estou, naturalmente, a defender os «novos». Mas julgo que nem sempre a velhice é assumida de uma forma positiva, coerente e conciliadora. E nesse aspecto, os «velhos» têm uma responsabilidade acrescida, que lhes traz a sabedoria da longa vida. :-)

    ResponderEliminar
  5. Carla, já lá fui deixar umas palavras...

    Maria Teresa, está a aproveitar muito bem a vida, percebe-se que está cheia de vitalidade e no pleno uso das suas faculdades, espero que se mantenha assim para sempre! xx

    Luisa, os "velhos" a que me refiro são pessoas que começam a perder algumas capacidades, esses é que de um momento para o outro ficam dependentes das vontades dos outros...e isso quanto a mim é muito triste e difícil...
    Uns porque acham que estão muito bem e querem ficar em casa e os filhos não podendo evitar vão levá-los para um lar...
    Outros que se sentem inseguros até querem ir para o Lar, mas os filhos "acham" que é melhor traze-los para as suas casas...
    outros, porque perdem a noção do dinheiro...
    Enfim, há um sem número de combinações possíveis para este cenário tão triste.
    É a pensar nisto,que eu faço o apelo: divirtam-se enquanto podem!
    xx

    ResponderEliminar
  6. Carlos,
    Quando as mentes não nos atraiçoam...a vida pode começar todos os dias e em qualquer idade!!!
    Valha-nos isso! :)))

    ResponderEliminar
  7. Tenho 73, quase 74 anos, vivo sozinha na minha casa, mas sinto-me bem acompanhada pelas filhas e genro. Sei que, se for preciso, estão lá para me ajudarem. De vez em quando mandam em mim, mas também é bom sentir-me mimada, e não o fazem por mal. Tenho as minhas actividades preferidas, mas telefono ou telefonam-me todos os dias, e uma vive a cem kms.
    Aquilo que diz também tem razão de ser, e sei de pessoas que ficaram sem nada porque os filhos lhes tiraram tudo e depois os mandam embora ou para um lar ou para casa de outros familiares. Enfim, há de tudo e percebo que se sinta revoltada.
    Tenho pena de não poder ver as imagens no meu blogue, mas as outras pessoas conseguem. Não sei o que se passa, mas obrigada pela visita.

    ResponderEliminar