quarta-feira, 3 de abril de 2013

O meu pai...

Lembrei-me dele. Os pais são muito importantes na vida dos filhos só é pena que nem sempre nos apercebamos disso em tempo útil... Não foi o meu caso. Tive um pai muito especial e se tivesse que o definir com uma só palavra essa seria JUSTIÇA. Teve um cuidado excepcional para que entre mim e o meu irmão nunca se fizessem diferenças e graças a isso crescemos amigos e sem ciúmes, invejas, mágoas ou rivalidades. Foi essa a grande herança que recebemos.
Há pouco estive a ler o post da Teté aqui e "por causa dela" lembrei-me do meu pai vou-lhes contar porquê.
Ele adorava ler e eu adorava falar!!! (e ainda adoro)
Desde pequenina que ele tentava fazer com que eu gostasse de ler, não foi fácil :)))
Andámos nessa "luta" ele a aconselhar-me este ou aquele livro e eu a evitar lê-lo.
Ele tinha muito gosto que eu lesse três deles que eram:
1º D. Quichote de la Mancha
2º O Livro de Saint Michele
3º Capitães de Areia (ele gostava muito do Jorge Amado)
Li vários "em diagonal" só para lhe agradar :( mas ele nunca desistiu e lá me ia convencendo...
Numa tarde de verão sem nada que fazer, decidi pegar no de Jorge Amado e foi o Livro certo no dia certo!!!
Li-o, adorei e fez-me pensar que se calhar os outros também eram "giros"....
Li-os de seguida, gostei de todos mas o preferido foi e ainda é o Livro de Saint Michele.
A partir desse dia comecei a ler com prazer.



11 comentários:

  1. Papoila! O prazer de ler não tem explicação. É algo que a mente precisa e a alma anseia.
    O que é mais giro é que está comprovado cientificamente que se a mente for exercitada (lendo) a nossa capacidade de rariocinio e intelecto se prolongam até praticamente os últimos dias da nossa vida.
    Quem não lê, acaba por transmitir ao cérebro a inércia que ele não deseja.
    Não conheço o livro de Saint Michele, mas adoro o Mont St Michel.
    Um beijinho e boas leituras.

    ResponderEliminar
  2. Gostei de ler esta bonita homenagem que fez ao seu pai.

    ResponderEliminar
  3. Como é bom relembrarmos os nossos pais! Eu sempre gostei de ler, já o meu irmão nem por isso e ambos nascemos e crescemos numa casa com muitos livros e com um pai que adorava ler, não sei como nasceu esse gosto.
    E isto fez-me lembrar outra coisa, o fazer palavras cruzadas...este gosto começou pelos meus 10anos, numas férias que passei em casa de um tio, irmão do meu pai, foi ele que me motivou, fazi-as numa revista que saía aos sábados da qual já não recordo o nome!
    Boas recordações!
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  4. Adorei a tua história e ainda bem que o livro te trouxe tão boas recordações. E ler por prazer faz uma enorme diferença das leituras escolares obrigatórias, se bem que pessoalmente tivesse gostado bastante de algumas... :)

    O meu pai também era grande leitor lá de casa, mas não teve de me entusiasmar: aos 8 anos tive uma hepatite e fiquei em repouso durante cerca de dois meses, se não fosse a Enid Blyton não sei como tinha passado aquele tempo todo de cama...

    Mas já antes disso tinha aprendido a ler depressa, pois nem sempre tinha alguém com disposição para me contar as histórias de contos de fadas de que tanto gostava... :D

    xxx

    ResponderEliminar
  5. Lembro-me vagamente do Livro de Saint Michel,mas não consigo recuperar a história. Dos que refere, para mim o melhor é Capitães da Areia.
    A leitura sempre fez parte da minha vida. Então em miúdo, devorava livros.
    Gostei da sua história e da foto do Mont Saint Michel, onde gostei muito de estar.

    ResponderEliminar
  6. Kim, Concordo em absoluto toda a gente sente uma enorme tristeza quando um bom livro acaba...fica um vazio e uma vontade enorme de encontrar outro tão bom ou melhor o que normalmente é impossível.
    Quanto a mim há livros que me obrigam a fazer luto!!!

    ResponderEliminar
  7. Luis Bonito, Obrigada. Foi bom lembrar-me dele.
    xx

    ResponderEliminar
  8. Teté,Tardes e tardes com "os Cinco", aventuras e imaginação! Que bons tempos. Se calhar foi por causa deles que comecei a ler policiais...
    Boas lembranças.
    xx

    ResponderEliminar
  9. Carlos, O livro é uma autobiografia de um médico septuagenário quase cego que conta a sua vida, é muito humano eu gostei tanto que sou capaz de o reler pois já estou a ver que estou muito esquecida.
    Dos três o que menos gostei foi o D.Quichote.
    xx

    ResponderEliminar
  10. Maria Teresa, Também aprendi com o meu pai a fazer palavras cruzadas ao fim de semana havia um jornal que trazia um suplemento infantil e ele fazia as dele e eu as minhas :)))o meu irmão nunca gostou de fazê-las.
    xx

    ResponderEliminar
  11. Eu adoro ler, é um vício, uma paixão, desde garota. Não conheço esse Livro de Saint Michele, é de quem? O monte de S. Michel também não conheço mas adorava conhecer ;)
    Beijinho.

    ResponderEliminar