sexta-feira, 30 de abril de 2010

delegar


Caring Fathers
Upload feito originalmente por peretz p
Estive hoje a ver um programa sobre a IGUALDADE.
As opiniões que ouvi foram na sua maioria dadas por mulheres, estas senhoras muito profissionais chamaram a atenção para uma série de questões muito interessantes umas mais banais e conhecidas e outras de que se fala menos.
A IGUALDADE nos empregos, começa por ser uma igualdade em casa.
Na procura de empregos aparecem-nos uma série de obstáculos: a idade, o género, as habilitações, a disponibilidade e muito mais...
Analisando dois exemplos:
Mulher, candidata-se a um emprego e apesar de ter o perfil para a função não é escolhida porque a entidade patronal , podendo escolher entre vários candidatos, opta por um Homem.
Porquê? Porque a mulher, pode engravidar, tem licença de parto, tem que dar assistência ao lar..., etc etc, resumindo: mais custos e menos produtividade..
Existindo a possibilidade de os Pais gozarem de licença de parto, logo à partida Pai e Mãe, ou melhor HOMEM E MULHER ficam no mesmo pé de igualdade.
Imaginemos que isso acontece!
Aos meus olhos, parece-me a situação ideal, o nascimento de um filho faz parte do casal e essa família passam a ser três e desaparece aquela sensação de que o bébé é só da mãe.....
A mãe, que está de "rastos" de cansaço, uma vez que já não sabe o que é dormir...pode dividir estes dias com o pai que sentirá que faz parte do "processo" com o que isso tem de bom e de mau....:)
MAS...para que isso aconteça as cabeças das MÃES vão ter que mudar um bocadinho!
As mães, de uma maneira geral, estão convencidas (e bem!) de que elas é QUE SABEM o que é melhor para os seus filhos....as cabeças delas nunca desligam....
Ora, a bem dos filhos dos pais das próprias mães e da Nação é preciso alterar isto um bocadinho!
Será que as mulheres/mães estão com vontade de DELEGAR????
è preciso confiar mais nos PAIS.

7 comentários:

  1. Isso tudo, em relação aos filhos bebés é bonito em teoria... temos o leite, a maminha...
    Abracinho

    ResponderEliminar
  2. Teresa,
    Pois é Teresa! logo à partida o raciocínio já está meio "enrolado"... :):)
    Vamos lá ver se as mães do futuro são mais ajudadas!!!!
    bom fim de semana xx

    ResponderEliminar
  3. Concordo com você... os papais poderiam ter licença maternidade com tempos semelhantes. Daí não haveria desculpas!!!

    ResponderEliminar
  4. delegar? essa palavra acarreta muita força. é difícil delegar!kis :)

    ResponderEliminar
  5. Pois... mas quando são recém-nascidos é muito difícil delegar ao pai. A ligação à mãe vem do cordão imbilical e prolonga-se após o nascimento, por isso é muito importante a continuidade e o aconchego da mãe (para não falar no aleitamento).Mas depois, mais tarde há que partilhar e delegar com responsabilidade, sem dúvida!

    bjs

    ResponderEliminar
  6. Querida Papoila, sou muito favorável à delegação. E fi-lo. Mas não consegui delegar o instinto. Há qualquer coisa que falta aos pais, não pode negar-se, e os «primeiros socorros» acabam sempre por ser dados pelas mães. Os próprios filhos, inconscientemente, o exigem (sobretudo, durante a primeira infância). A maior parte das famílias modernas já foram até onde é possível ir, sem contrariar a natureza das coisas. Penso que cabe agora ao mercado ser também adequadamente flexível. :-)

    ResponderEliminar